HISTÓRIAS GRASTRONÔMICAS

O croquete – kroketten – é uma invenção holandesa, introduzida nos Países Baixos no começo do século X. Ele é feito à base de carne de frango desfiada temperada com salsinha, cebola e limão. São muito comuns na Holanda, onde também são servidos como recheio em pãezinhos. Acompanhados por batatas fritas, formam a refeição rápida mais popular da Holanda.

Poffertjes (fofinhos) é um doce tradicional na Holanda, apreciado naquele país, pelo que se tem notícia, desde 1795. O poffertjes, na verdade, foi criado na França, de onde praticamente sumiu nos dias atuais. A receita vem da época de Napoleão, quando houve escassez de farinha de trigo e sobrava trigo sarraceno. Como os conventos faziam hóstias com água e trigo, as freiras começaram a experimentar receitas alternativas e, assim, surgiu o poffertjes. Nessa época, Napoleão dominou boa parte da Europa, inclusive a Holanda, e os cozinheiros de suas tropas e os mercadores vendiam os poffertjes e sua receita. Com o passar do tempo, a França esqueceu essa delícia e a Holanda acabou ficando famosa pelos docinhos. Na Holanda, os poffertjes são vendidos em pratinhos descartáveis, em banquinhas colocadas nas ruas. Trata-se de uma espécie de minipanqueca coberta com manteiga e açúcar (tradicional) ou com morango e chantilly.

Pannekoek para os holandeses assim como a pizza para os brasileiros. Considerado um das receitas mais consumidas na Holanda, o prato, que pode ser brasileiramente explicado como: uma panqueca aberta com recheio incorporado à massa e gratinada com queijo gouda.

O stroopwafel originou-se na cidade de Gouda, na Holanda. Foi feito pela primeira vez no início de século XIX por um padeiro, com as sobras de diversas bolachas da produção (migalhas) adoçadas com caramelo. Atribui-se a invenção do stroopwafel ao padeiro Geraldo Kamphuisen, em 1810, ano em que abriu a sua padaria. No início do século XIX, havia cerca de 100 padarias que faziam o caramelo de waffle em Gouda, que foi a única cidade a produzir a bolacha até 1870. Depois dessa data, o biscoito também passou a ser feito em festas e nos mercados de outras cidades. No século XX, as fábricas começaram a produzir os stroopwafels, permitindo que esse tradicional biscoito holandês ganhasse o mundo. No entanto, até hoje, são produzidos artesanalmente em tradicionais feiras abertas de rua na Holanda e na Expoflora.